Diario del proyecto Journal posts development and testing

24 de febrero de 2021

Explorando observações


Através do iNaturalist você pode explorar milhões de observações da vida selvagem compartilhadas por naturalistas de todo o mundo. Esse tutorial vai te mostrar como.


Comece por abrir o site iNaturalist.org e, na barra de cima, clique na opção “Explorar”


Quando você visitar esta página pela primeira vez a localidade apresentada será O Mundo todo com todas as observações armazendas até este momento.


Estrutura da página de observações


No topo da página estão os filtros que usaremos para restringir o conjunto de observações. Estes serão analisados na seção “Adicionando filtros”, logo abaixo. Mas, primeiro, vamos explicar como o resto da página de Observações está estruturado. A página resume as observações que correspondem aos filtros selecionados em quatro contagens separadas (total de observações filtradas, total de espécies correspondentes a estas observações, total de identificadores e total de observadores).


Cada uma dessas contagens ativa uma aba que fornece mais informações adicionais. Vamos começar com a guia Observações, que está ativa por padrão.


Conforme se aumente o zoom e a panorâmica do mapa, aparecem densas concentrações de marcas de observações no campo de visão. Se você aumentar o zoom o suficiente, os marcadores cinza serão substituídos por marcadores com cores e formas diferentes, refletindo a categoria taxonômica, qualidade e geoprivaçidade da observação, conforme descrito na legenda do mapa (bem abaixo à esquerda).


Você também notará o botão "Locais de interesse", que pode ser usado para adicionar filtros de localização. Descreveremos como eles funcionam na seção “Adicionando filtros”, abaixo.


Aba de espécies


Clicar sobre a aba “Espécies” resume as observações que correspondem aos seus filtros com o conjunto distinto de espécies que eles representam. As espécies mais freqüentemente observadas são exibidas primeiro. Você pode clicar sobre cada uma delas para saber mais sobre a espécies selecionada.


Abas Identificadores e Observadores


A aba Identificadores resume as observações que correspondem aos seus filtros pelas pessoas que ajudaram a identificá-las. Esses identificadores são classificados decrescentemente pelo número de identificações que eles fizeram nas observações filtradas.


Da mesma forma, a aba Observadores resume as observações das pessoas que as observaram. Os observadores são classificados pelo número decrescente de observações e pelo número de espécies que representam.


Você pode clicar sobre os usuários para saber mais sobre eles e enviar mensagens ou segui-los. Conectar-se aos principais identificadores e observadores é uma ótima maneira de aprender mais sobre as observações que interessam a você.


Filtros: como usar


Existem duas maneiras principais de filtrar observações: por espécie e por localidade.


Filtrando por espécie


Os totais serão atualizados para refletir este conjunto restrito de observações.


  • Comece a digitar o nome da espécie que você imagina correto
  • Uma lista será apresentada com diversas alterantivas
  • Se entre as espécies está aquela que você “tem certeza” ser a correta, selecione a linha correspondente
  • Na dúvida, clique em “Exibir” na linha desejada: uma nova aba mostrará dados adicionais da espécie
  • Ainda em dúvida? Selecione uma classe taxonõmica mais abrangete. Ex: borboletas ou fungos

Filtrando por localidade

O resultado desta filtragem pode ser visto abaixo, agora com um retângulo envolvendo a área da localidade onde foram observados exemplares da espécie escolhida. Note que a apresentação do mapa foi alterada, pelo usuário, para a camada “Satélite”.

Alterando para uma localidade constante da base de dados do iNaturalist (o Distrito Federal, neste caso), em vez de um retângulo envolvente, os limites da localidade serão circundados por uma linha laranja e as observações da(s) espécie(s) selecionada(s) serão apresentadas na forma de pequenas marcas de cores e formas diferentes em função do grupo taxonômico. A apresentação do mapa foi alterada para a camada “Mapa” pelo usuário.


Você também pode usar o botão “Locais de interesse” para visualizar e selecionar lugares próximos. Esses locais são separados em um conjunto padrão de responsabilidade da iNaturalist e um conjunto criado pela comunidade iNat.

Outros filtros e exportação de observações

No menu “Filtros”, existem muitas outras possibilidades de seleção de observações. Você pode pesquisar por data de observação ou por grau de pesquisa (Nível de Pesquisa, Precisa de Identificação ou Casual) ou, ainda, por observações de espécies ameaçadas, por exemplo.


Todas as informações constantes da base de dados iNaturalist podem ser exportadas pelos usuários nos formatos CSV e Atom. Este procedimentos usam recursos computacionais do servidor intensivamente e podem desacelerar o desempenho da plataforma. Use com critério e com filtros bem definidos afim de limitar o volume de dados a serem transferidos.




Boletim anterior: Desafio da Natureza Urbana 2021 RIDE/DF

Próximos boletins
  • Rumos e Rotas da RIDE – Central de Informações
  • Postando observações [Pronto!]
  • Explorando observações [Pronto!]
  • Organismos (o que são?)
  • Identificando observações
  • Guia de Campo: Borboletas e Mariposas
  • Guia de Campo: Plantas
  • Guia de Campo: Aves
  • ...

Anotado en febrero 24, miércoles 19:44 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

Rumos e Rotas da RIDE - Central de Informações


Este artigo reunirá informações potencialmente interessantes para os participantes do Desafio da Natureza Urbana 2021 – Brasília e Região. Pretende-se atualizá-lo sempre que se encontre uma nova fonte confiável de informações. Participantes do projeto estão convidados a informar, via comentários, de páginas relevantes para o grupo em qualquer dos municípios integrantes da RIDE/DF.


No momento, o artigo está centrado na identificação de informações sobre espaços naturais que possam ser visitados durante a bioblitz. São parques federais, estaduais e locais, espaços abertos, trilhas e hotspots de biodiversidade com acesso público autorizado.


Conteúdo atual

  • Unidades de Conservação Federais na RIDE
  • Unidades de Conservação Estaduais na RIDE
  • Parques e Unidades de Conservação no DF
  • Informações sobre os Municípios da RIDE

Unidades de Conservação Federais na RIDE

Unidades de Conservação Estaduais na RIDE

Parques e Unidades de Conservação no DF

A tabela abaixo contém links que fazem parte do site Eu amo o Cerrado e objetiva apenas ligar este artigo às páginas específica de cada parque no DF. Lá se pode encontrar diferentes informações sobre o parque em si, tais como: horário de funcionamento, estado de conservação, trilhas disponíveis, valor do ingresso e espécies animais avistadas no local.

Como são muitos - mas não o bastante - lembramos que a melhor forma de localizar um específico que queira visitar é digitando CTRL+F (Windows) ou (CMD+F no IOS) e informando o que você procura (pode ser que o argumento da pesquisa ocorra mais de uma vez na página).


Nome do parque Nome do parque
Área de Relevante Interesse Ecológico Cachoeira do Pipiripau Área de Relevante Interesse Ecológico Granja do Ipê
Centro de Lazer e Cultural Viva Sobradinho Estação Ecológica Águas Emendadas – Esecae
Floresta Distrital dos Pinheiros Jardim Botânico de Brasília
Parque Ambiental Colégio Agrícola de Brasília Parque Bosque dos Constituíntes (Uso Múltiplo)
Parque Bosque dos Tribunais (Uso Múltiplo) Parque Burle Marx
Parque da Asa Sul (Uso Múltiplo) Parque das Aves (Uso Múltiplo)
Parque da Cidade Parque das Corujas (Uso Múltiplo)
Parque da Vila Estrutural (Uso Múltiplo) Parque da Vila Planalto (Uso Múltiplo)
Parque das Esculturas (Uso Múltiplo) Parque das Sucupiras (Uso Múltiplo)
Parque de Taguatinga (Uso Múltiplo) Parque Denner (Uso Múltiplo)
Parque Distrital Boca da Mata Parque Distrital Copaíbas
Parque Distrital dos Pequizeiros Parque Distrital Recanto das Emas
Parque Distrital do Retirinho Parque Distrital Salto do Tororó
Parque Ecológico Areal Parque do Lago Norte (Uso Múltiplo)
Parque do Núcleo Bandeirante (Uso Múltiplo) Parque do Paranoá
Parque do Setor “O” (Uso Múltiplo) Parque dos Eucaliptos (Uso Múltiplo)
Parque dos Jequitibás Parque Ecológico Areal
Parque Ecológico Cachoeirinha Parque Ecológico da Enseada Norte
Parque Ecológico da Ermida Dom Bosco Parque Ecológico da Garça Branca
Parque Ecológico das Garças Parque Ecológico de Águas Claras
Parque Ecológico de Santa Maria Parque Ecológico de São Sebastião
Parque Ecológico do Anfiteatro Natural Parque Ecológico do Catetinho
Parque Ecológico do DER Parque Ecológico do Descoberto
Parque Ecológico do Gama Parque Recreativo do Gama (Prainha)
Parque Ecológico do Rasgado Parque Ecológico do Riacho Fundo
Parque Ecológico e Vivencial da Candangolândia Parque Ecológico e Vivencial de Sobradinho (Córrego da Onça)
Parque Ecológico Ezechias Heringer Parque Ecológico Irmão Afonso Hauss
Parque Ecológico Península Sul Parque Ecológico Ponte Alta do Gama
Parque Ecológico Saburo Onoyama Parque Ecológico Sementes do Itapoã
Parque Ecológico do Tororó Parque Ecológico Ollhos d'água
Parque Ecológico Veredinha Parque Ecológico Três Meninas
Parque Ecológico Varjão-Taquari Parque Ecológico Vila Varjão
Parque Recreativo Sucupira Parque Urbano do Sudoeste
Refúgio de Vida Silvestre Canela de Ema Refúgio de Vida Silvestre Canjerana
Refúgio da Vida Silvestre Gatumé Refúgio de Vida Silvestre Lagoa Joaquim de Medeiros
Refúgio de Vida Silvestre Mestre d’Armas Refúgio da Vida Silvestre Morro do Careca
Refúgio de Vida Silvestre Vale do Amanhecer Taguaparque (Uso Múltiplo)

Informações sobre os Municípios da RIDE

Todos os links abaixo se referem a páginas wikepedia e, em vários casos, são apenas descrições superficiais do município. Caso alguém conheça sites mais apropriados, por favor nos informe na área de comentários para fazermos a substituição do link. Espera-se que a página sugerida contenha informações pertinentes ao propósito de se observar a natureza, sendo isenta de posicionamentos político-partidário, religiosos e/ou comerciais.




Município Município
Abadiânia (GO) Água Fria de Goiás (GO)
Alexânia (GO) Alto Paraíso de Goiás (GO)
Alvorada do Norte (GO) Arinos (MG)
Barro Alto (GO) Buritis (MG)
Cabeceiras (GO) Cabeceira Grande (MG)
Cavalcante (GO) Cidade Ocidental (GO)
Cocalzinho de Goiás (GO) Corumbá de Goiás (GO)
Cristalina (GO) Formosa (GO)
Goianésia (GO) Luziânia (GO)
Mimoso de Goiás (GO) Niquelândia (GO)
Novo Gama (GO) Padre Bernardo (GO)
Pirenópolis (GO) Planaltina (GO)
Santo Antônio do Descoberto (GO) Planaltina (GO)
São João d’Aliança (GO) Simolândia (GO)
Unaí (MG) Valparaíso de Goiás (GO)
Vila Boa Vila Propício



Boletim anterior: Formatação de textos – Text Markdown Language

Próximos boletins (quem aderir receberá na aba de notícias do aplicativo)

  • Postando observações
  • Explorando observações
  • Organismos (o que são)?
  • Identificando observações
  • Guia de Campo: Borboletas e Mariposas
  • Guia de Campo: Plantas
  • Guia de Campo: Aves
  • ...

Anotado en febrero 24, miércoles 15:50 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

Formatação de textos - Text Markdown Language


Este artigo descreve


  • O que é Markdown Language

  • Como e onde formatar textos no iNaturalist

  • Comandos markdown no iNaturalist

O que é Markdown Language

É uma linguagem de marcação de textos simplificada, capaz de gerar código HTML válido para uso em qualquer navegador internet. Objetiva, principalmente, aumentar a legibilidade da comunicação entre pessoas via e-mails, fóruns, murais, boletins e outros. Quem escreve pode usar certas etiquetas (tags) que ficam “encapsuladas” no texto transmitido, isto é, alteram a apresentação do texto sem ficarem aparentes. Muito conveniente para inclusão de imagens e links externos ao aplicativo em uso. No iNaturalist é utilizada em Anotações feitas durante a carga (upload) de observações, em comentários no processo de identificação das mesmas, no perfil do usuário e no fórum de dicussão iNat, . Também é usada, às vezes parcialmente e com alterações, em apps de telefonia móvel como whatsapp e outras.


Como e onde formatar textos no iNaturalist


Na tela da app do iNaturalist (Android, nas imagens apresentadas aqui), quando do upload de observações, o único campo passível de usar tags markdown é o “Anotações”, que se destina a informar situações relevantes para a identificação do organismo observado tais como: condições ambientais do local da observação ou qual organismo - se vários - é o desejado pelo observador. Enfim, são informações de interesse do observador e/ou da comunidade iNat que auxiliem na identificação do organismo.

Na tela de Observações ou na de Identificação (Explorar, no Android) pode-se fazer comentários, estruturar referências a fontes - inclusive de sites externos - citar e apontar para qualquer outra observação iNat, tudo com o objetivo de obter e fornecer subsídios para se alcançar a melhor identificação possível de um organismo qualquer.







À direita, embaixo, o usuário está “tentado” a desistir da identificação dada por ele e já confirmada por um outro. Para tanto, ele fez uso de uma tag markdown para italizar parte do texto ao propor a manutenção do gênero, qual seja: Diabrotica sp. Colocar a classe taxonômica em itálico é uma convenção amplamente utilizada no Inat e deriva de sua aplicação em diferentes ramos da ciência.
Ao submeter o comentário, os asteriscos (*) no começo e fim da expressão “Diabrotica sp” não serão apresentados e esta parte do texto aparecerá italizada para todos.




No computador, a tela de identificação de qualquer observação tem um quadro que fornece alguns comandos markdown na própria área de comentários. Estes são os seguintes, da esquerda para a direita, no detalhe da imagem mais embaixo:

  • ”B”. Gera um par de duplos-asteriscos (**texto em negrito**) para o usuário substituir a expressão “texto em negrito” pelo texto que ele deseja;

  • ”I”. Gera um par de astericos simples (*texto em itálico*) para que o usuário possa substituir a expressão “texto em itálico” pelo texto desejado (normalmente uma classe taxonômica);

  • Símbolo de link. Gera duas áreas de digitação, uma para inserção de um texto (que pode ser negritado e/ou italizado, e outra para fornecimento de um endereço da internet (URL);

  • ”>”. Prepara o espaço para digitação entre aspas-duplas (uma citação, por exemplo);

  • Os dois últimos botões permitem a criação de listas, sendo o primeiro para não-numeradas e o segundo para numeradas.

  • O quadro de comentários também existe nas apps Android e IOS mas sem os botões, ou seja, o usuário tem de digitá-los juntamente com o texto desejado.


Comandos markdown no iNaturalist

Digitado Resultado Atalhos de teclado (CMD / CTRL)
*itálico* itálico CMD-i / CTRL-i
**negrito** negrito CMD-b / CTRL-b
[iNaturalist](www.inaturalist.org) iNaturalist CMD-k / CTRL-k

* uma
* lista
* não-numerada

  • uma
  • lista
  • não-numerada

1. uma
1. lista
1. numerada

  1. uma
  2. lista
  3. numerada


Boletim anterior: Desafio da Natureza Urbana 2021 RIDE/DF

Próximos boletins (quem aderir receberá na aba de notícias do aplicativo)
  • Rumos e Rotas da RIDE – Central de Informações
  • Postando observações [Pronto!]
  • Explorando observações [Pronto!]
  • Organismos (o que são?)
  • Identificando observações
  • Guia de Campo: Borboletas e Mariposas
  • Guia de Campo: Plantas
  • Guia de Campo: Aves
  • ...

Anotado en febrero 24, miércoles 11:47 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

22 de febrero de 2021

Identificando observações


Este artigo descreve


  • Como usar a ferramenta de Identificação

  • Como funciona o processo de identificação

  • Como confirmar uma identificação


Como usar a ferramenta de Identificação


Observações podem ser identificadas de muitas maneiras mas vamos apresentar a forma mais eficiente. A homepage do iNaturalist tem uma ferramenta de identificação projetada especificamente para ajudá-lo a identificar da forma mais eficiente possível. Há um tutorial em vídeo que também descreve a ferramenta (em inglês).




  1. Você pode filtrar observações por táxon, lugar ou outros filtros no menu de filtros.

  2. Clique na imagem para mostrar mais detalhes de cada observação. Isso abrirá uma janela modal para a observação selecionada.

  3. Use os botões para adicionar uma ID, comentário ou concordar com o táxon em vigor no momento.

  4. Para adicionar uma nova ID, clique em "Adicionar ID", insira um táxon e clique em “Salvar”.

  5. Aprenda os atalhos do teclado para aumentar sua eficiência. Por exemplo, pressionar a tecla “i” abrirá uma caixa de diálogo para a inclusão de uma nova ID, ou pressionar a tecla “a” irá concordar com a ID existente.

  6. Abas adicionais nesta janela modal mostram sugestões de táxons, anotações feitas na observação ou informações sobre a qualidade dos dados nela contidas.


Como funciona o processo de identificação


É uma ave, uma lagarta de borboleta ou um caramujo? No iNaturalist você pode descobrir propondo identificações às observações.


Para entender como isso funciona, vamos analisar um exemplo real de observação para ver como o seu táxon foi progressivamente moldado por várias identificações individuais. O desenho abaixo é uma versão simplificada da Árvore da Vida para este exemplo. Quando adrianee4 postou a observação, ela adicionou uma identificação “imperfeita” informando que a classe é 'Insetos'. Um táxon em nível de Classe está muito em baixo na Árvore da Vida (taxonomicamente falando) e, por isto, é considerada “imperfeita” neste texto.


Aqui estão as partes da observação de adrianee4 quando foi postada:


  1. adrianee4 sugeriu que o táxon da observação é a classe Insetos. O sinalizador 'Precisa de Identificação' indica que o táxon atual pode ser confirmado ou melhorado.

  2. O nome (nome-de-usuário) do observador.

  3. A data da observação.

  4. A foto funciona como evidência daquilo que o observador viu.

  5. A localização onde a observação ocorreu é apresentada em um mapa.

  6. Esta observação tem apenas uma identificação até o momento, tendo sido feita pelo observador, adrianee4.

  7. Como essa observação tem apenas uma identificação, ela não tem uma 'ID da comunidade'.

Em seguida, bbunny adiciona uma identificação para a família Joaninha. Esta identificação está de acordo com a identificação original de adrianee4, mas é mais precisa. O táxon da Observação avança para refletir a ID principal de bbunny, mas a ID da Comunidade fica na classe 'Insetos', que é o ponto de consenso entre as identificações de adrianee4 e bbunny.






  1. As identificações são listadas cronologicamente com a identificação de bbunny listada após a identificação inicial de adrianee4.

  2. Ambos, adrianee4 e bbunny, concordam que esta observação é de um Inseto. Esse ponto de consenso é chamado de ID da comunidade.












Por sua vez, adrianee4 adiciona uma nova identificação da espécie Joaninha de Três Bandas. Agora, tanto adrianee4 quanto bbunny concordam que a observação pertence à família Joaninhas. O ID da comunidade se move para cima na Árvore da Vida para refletir esse novo ponto de consenso e o táxon da observação se move para o ID principal de adrianee4.






  1. A identificação mais recente de adrianee4 da espécie Joaninha de Três Bandas está listada aqui. Observe que sua identificação anterior não é mais atual e está riscada.

  2. A Identificação da Comunidade está agora em um novo ponto de consenso: a família Joaninha.

  3. Enquanto isso, o táxon da observação avança para a ID principal de adrianee4.












Em seguida, silversea_starsong adiciona uma identificação da espécie Joaninha-de-sete-pintas.



A identificação mais “imperfeita” de bbunny para a família Joaninha é consistente com Joaninha-de-sete-pintas ou Joaninha asiática. Este ponto de consenso torna-se a nova ID da comunidade e também o táxon da observação.











  1. Uma identificação de Joaninha-de-sete-pintas é adicionada.



  2. A Identificação da Comunidade muda para a Família para refletir o ponto de consenso.



  3. Assim como o táxon da observação.













Agora mais duas pessoas, bug_eric e edanko, adicionam identificações da espécie Joaninha-de-sete-pintas.


Mais de 2/3 (3 de 4) dos IDs em Joaninha-de-sete-pintas e Joaninha asiática estão no primeiro táxon. O peso dessas três identificações “puxa” o táxon da observação e a identificação da comunidade para Joaninha-de-sete-pintas.














  1. Existem agora 3 IDs de joaninha-de-sete-pintas.





  2. O peso (> 2/3) desses IDs puxa o ID da comunidade para Joaninha-de-sete-pintas.





  3. Bem como o táxon de observação. Como o ID da comunidade está classificado como espécie, essa observação agora é de grau de pesquisa.
















Como confirmar uma identificação


No iNaturalist suas identificações irão propor ou confirmar um táxon proposto ou, ainda, melhorá-lo. Vamos verificar como pode ocorrer a confirmação da identificação de uma observação de hipopótamo.


Escolhemos o Hipopótamo para este tutorial porque eles são inconfundíveis. Muito provavelmente nenhuma dessas observações realmente precisa de qualquer identificação mas. Neste caso, facilitará o entendimento do processo. Comece indo para a página de Observações.





  1. Comece digitando 'Hipopótamo' no campo de espécies e selecione 'Hippopotamus amphibius'.


  2. Certifique-se de estar no modo de exibição de grade na guia Observações.


  3. Encontre uma observação fácil de reconhecer o hipopótamo e clique nela.




Supondo que você concorde que esta é uma observação de um hipopótamo, vamos adicionar uma identificação.









  1. Clique na guia 'Sugerir uma identificação' na parte inferior da página.



  2. Comece digitando 'Hipopótamo' no campo de espécies e selecione 'Hippopotamus amphibius'.



  3. Clique em 'Concluído' para salvar sua identificação.











link para o boletim anterior


Anotado en febrero 22, lunes 00:31 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

Organismos


Este artigo descreve


  • O que são organismos

  • Como o iNaturalist conta os organismos (Taxa)


O que são organismos?


Organismos são os diferentes tipos de coisas vivas. Você já está familiarizado com os nomes de muitos organismos como humanos, aranhas, pássaros, cobras, mamíferos e plantas.


A Árvore da Vida descreve como todos os organismos estão relacionados. Todos podem ser considerados como partes de uma árvore. Alguns são realmente “agrupamentos”, como joaninhas, e referem-se a ramos inteiros desta árvores. Outros, como Joaninhas de Sete Pintas, referem-se a folhas individuais. Isso significa que uma observação pode ser identificada corretamente como um entre vários organismos (partes da árvore da vida). Por exemplo, um besouro pode ser identificado como joaninha ou joaninha de sete pintas. Ambos estariam corretos se identificados como Joaninhas - uma identificação mais “imperfeita” do que Joaninhas de Sete Pintas.


O sistema do iNaturalist usa dez diferentes posições da Árvore da Vida com ícones e cores para que se possa encontrar os organismos mais facilmente. A árvore abaixo tem vários pontos interessantes para começar a explorar galhos e folhas mais “finos”.


Às vezes é útil pensar na Árvore da Vida como uma árvore genealógica. Assim como seus pais são os ancestrais comuns entre você e seu irmão, o gênero taxonômico Joaninhas Típicas é o ancestral comum das Joaninhas de Sete Pintas e da Joaninha da Califórnia. E como os ancestrais comuns entre você e seu primo de segundo grau são seus bisavós, o ancestral comum da Joaninha de Sete Pintas e do Besouro do Pepino Malhado é a ordem taxonômica dos Besouros.


Usamos os termos pais e filhos para nos referirmos aos ancestrais e descendentes mais imediatos, respectivamente. E nos referimos às posições na direção dos ancestrais como posições mais “imperfeitas”.


link para o boletim anterior


Anotado en febrero 22, lunes 00:26 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

Explorando observações


Este artigo descreve


  • Explorando observações pelo navegador web


Através do iNaturalist você pode explorar milhões de observações da vida selvagem compartilhadas por naturalistas de todo o mundo. Esse tutorial vai te mostrar como.


Comece por abrir o site iNaturalist.org e, na barra de cima, clique na opção “Explorar”


Quando você visitar esta página pela primeira vez a localidade apresentada será O Mundo todo com todas as observações armazendas até este momento.


Estrutura da página de observações


No topo da página estão os filtros que usaremos para restringir o conjunto de observações. Estes serão analisados na seção “Adicionando filtros”, logo abaixo. Mas, primeiro, vamos explicar como o resto da página de Observações está estruturado. A página resume as observações que correspondem aos filtros selecionados em quatro contagens separadas (total de observações filtradas, total de espécies correspondentes a estas observações, total de identificadores e total de observadores).


Cada uma dessas contagens ativa uma aba que fornece mais informações adicionais. Vamos começar com a guia Observações, que está ativa por padrão.


Conforme se aumente o zoom e a panorâmica do mapa, aparecem densas concentrações de marcas de observações no campo de visão. Se você aumentar o zoom o suficiente, os marcadores cinza serão substituídos por marcadores com cores e formas diferentes, refletindo a categoria taxonômica, qualidade e geoprivaçidade da observação, conforme descrito na legenda do mapa (bem abaixo à esquerda).


Você também notará o botão "Locais de interesse", que pode ser usado para adicionar filtros de localização. Descreveremos como eles funcionam na seção “Adicionando filtros”, abaixo.


Aba de espécies


Clicar sobre a aba “Espécies” resume as observações que correspondem aos seus filtros com o conjunto distinto de espécies que eles representam. As espécies mais freqüentemente observadas são exibidas primeiro. Você pode clicar sobre cada uma delas para saber mais sobre a espécies selecionada.


Abas Identificadores e Observadores


A aba Identificadores resume as observações que correspondem aos seus filtros pelas pessoas que ajudaram a identificá-las. Esses identificadores são classificados decrescentemente pelo número de identificações que eles fizeram nas observações filtradas.


Da mesma forma, a aba Observadores resume as observações das pessoas que as observaram. Os observadores são classificados pelo número decrescente de observações e pelo número de espécies que representam.


Você pode clicar sobre os usuários para saber mais sobre eles e enviar mensagens ou segui-los. Conectar-se aos principais identificadores e observadores é uma ótima maneira de aprender mais sobre as observações que interessam a você.


Filtros: como usar


Existem duas maneiras principais de filtrar observações: por espécie e por localidade.


Filtrando por espécie


Os totais serão atualizados para refletir este conjunto restrito de observações.


Filtrando por localidade


O resultado desta filtragem pode ser visto a seguir, agora com um retângulo envolvendo a área da localidade onde foram observados exemplares da espécie escolhida. Note que a apresentação do mapa foi alterada, pelo usuário, para a camada “Satélite”.


Alterando para uma localidade constante da base de dados do iNaturalist (o Distrito Federal, neste caso), em vez de um retângulo envolvente, os limites da localidade serão circundados por uma linha laranja e as observações da(s) espécie(s) selecionada(s) serão apresentadas na forma de pequenas marcas de cores e formas diferentes em função do grupo taxonômico. A apresentação do mapa foi alterada para a camada “Mapa” pelo usuário.


Você também pode usar o botão “Locais de interesse” para visualizar e selecionar lugares próximos. Esses locais são separados em um conjunto padrão de responsabilidade da iNaturalist e um conjunto criado pela comunidade iNat.


Outros filtros e exportação de observações


No menu “Filtros”, existem muitas outras possibilidades de seleção de observações. Você pode pesquisar por data de observação ou por grau de pesquisa (Nível de Pesquisa, Precisa de Identificação ou Casual) ou, ainda, por observações de espécies ameaçadas, por exemplo.


link para o boletim anterior


Anotado en febrero 22, lunes 00:23 por douglas-u-oliveira douglas-u-oliveira | 0 comentarios | Deja un comentario

Archivos